segunda-feira, 11 de setembro de 2017

RELEASE - DIEGO MASCATE

         RELEASE – DIEGO DE MORAES
                                                             (Por Eduardo Carli - https://acasadevidro.com/ )

(Foto por Lorena Coelho)

            A palavra cantada que encanta é o que emana da arte deste "cuiabano de Goiás", Diego de Moraes. “Cantautor” eclético e inovador, Diego realiza há mais de 10 anos um trabalho musical e poético dos mais significativos na música goiana contemporânea, além de ter sólida carreira como professor e historiador (atualmente realizando pesquisa de doutorado em História Social pela UFRJ com foco nas figuras de Tom Zé e Jards Macalé).

            Como parte da banda Diego  de Moraes e O Sindicato, consolidou-se como um dos cantores, compositores e performers mais significativos do cenário artístico goiano. Sua trajetória já  inclui vários álbuns lançados: Parte de Nós (Diego e o Sindicato), A.C. (Diego Mascate). Além disso, possui também o projeto Waldi e Rédson, dupla sertaneja que integra junto com o músico Chelo, do coletivo mineiro Porcas Borboletas.

            O artista já realizou participações em importantes festivais locais (como Bananada, Vaca Amarela, Goiânia Noise, Grito Rock, Canto de Ouro, Fica etc.) e nacionais (Virada Cultural de São Paulo - SP, Varadouro em Rio Branco - AC, em Cuiabá - MT, dentre outros), revelam também o poder de suas apresentações ao vivo. Dentre os episódios marcantes que vivenciou sobre os palcos, podemos contar a abertura do show de Rita Lee no FICA 2011; um dueto com Jards Macalé no Bananada 2012, dentre outros.

            Já participou de vários programas de TV - como o Frutos da Terra, na TV Anhanguera, apresentado por Maíra Lemos - e andou sendo citado até na Inglaterra pelo jornal Guardian UK como representante notável da “nova MPB”. Atuou também na peça Vamos a La Praia, do Grupo Bastet, onde interpreta um clown e integra a banda responsável pela trilha sonora junto de Sergio Pato e Fernando Cipó.

            Suas canções também ganham expressão audiovisual nos videoclipes de “Todo Dia” [https://youtu.be/wdX6y5folyE], “Dia Bonito” [https://youtu.be/zEhmerXUl4c], “O Show Vai Continuar” [https://youtu.be/MaRPnmsEJ3c], dentre outros.

            Admirador de figuras como Sérgio Sampaio, Raul Seixas, Odair José, Arrigo Barnabé, Luiz Tatit, dentre outros, Diego de Moraes também têm suas antenas ligadas no que de melhor existe na música internacional. Adiciona a seu som pitadas apimentadas de Iggy e os Stooges, de David Bowie, de Lou Reed, dentre tantos outros artistas, o que gera algo de um frescor e uma novidade que arejam e rejuvenescem a música tradicional.

            Diferença e diversidade parecem ser palavras-de-ordem da estética dieguista: como ele próprio avalia, seu percurso artístico no cenário musical têm primado pela valorização da diferenciação em relação aos dogmas e estereótipos do pop ("eu sempre tento ser um pouco diferente", canta na emblemática "Amigo"). Com uma inquietude criativa que transborda por todos os poros, Diego segue travessia por um "caminho torto", de bicho urbano e rural, mesclando a viola ao rock and roll, longe de percursos pré-definidos, "na dança da canção incerta" (nome do álbum de estréia de sua banda Pó de Ser).


            Em 2017, completam-se 10 anos do lançamento de seu EP de estréia, Reticências, semente de toda a sua carreira. Os shows que Diego de Moraes tem feito nesse ano têm sido especiais pois marcam  a comemoração desta década de uma trajetória artística marcada pela diversidade cultural.   

quinta-feira, 20 de julho de 2017

sexta-feira, 14 de julho de 2017

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

A crítica ao elitismo da universidade brasileira por Álvaro Vieira Pinto no "pré-1964"

A Revista Espaço Livre acaba de publicar a sua 22ª edição
com textos de Nildo Viana , Diney Vasco , Eliane de Jesus , Jean Santana,
Paul Mattick e um meu.

Meu texto se chama: "A crítica ao elitismo da universidade brasileira por Álvaro Vieira Pinto no 'pré-1964'”!

Vida longa aos espaços livres!